Atualize seu navegador!
Notícias

GOVERNO DE MINAS GERAIS APOIA AS ESCOLAS ESPECIAIS DAS APAES

Anterior
Anterior
IniciarIniciar apresentação
Próxima
Próxima
Miniatura 318509 Miniatura 318510 Miniatura 318511 Miniatura 318512 Miniatura 318513 Miniatura 318514 Miniatura 318516 Miniatura 318517

 

Um ponto de equilíbrio estabelecido a partir da escuta, tolerância e respeito às diferenças. Com essas palavras a gestora da Secretaria de Estado de Educação (SEE), professora Ana Lúcia Gazzola, resumiu o objetivo da reunião técnica entre a SEE e a Federação das Apaes do Estado de Minas Gerais (Feapaes-MG) para discutir a proposta de oferta da Educação de Jovens e Adultos (EJA) nos anos finais do Ensino Fundamental pela escola especializada das Apaes. 

Realizado nos dias 17 e 18 de julho, nas dependências do Instituto São Rafael, em Belo Horizonte, o encontro reuniu representantes das Superintendências Regionais de Ensino (superintendentes, analistas do Serviço de Apoio à Inclusão e coordenadores das inspetorias escolares), e integrantes do movimento Apaeano mineiro (conselheiros regionais, coordenadores pedagógicos e técnicos da Feapaes-MG).

Posicionando a proposta como uma diretriz do Governo de Minas Gerais, Ana Lúcia Gazzola disse que é papel da SEE garantir o acolhimento a todos que estejam fora da escola. “Queremos melhorar a interlocução com as Apaes e construir diálogos possíveis a favor do monitoramento do percurso educacional dos alunos com deficiência intelectual e múltipla. O Estado deve estar preparado para oferecer educação de qualidade a todos os seus cidadãos, mas sem impor às famílias as escolhas de onde matricular os seus filhos”, esclareceu. 

Em sua saudação durante a abertura do evento, o Presidente da Feapaes-MG, Eduardo Barbosa, destacou o momento histórico do encontro entre a Secretaria de Educação e as Apaes. Ele lembrou que o movimento Apaeano contribuiu, ativamente, com a evolução da educação especial no país, sempre a partir de um posicionamento ético a favor da autonomia dos seus atendidos. “Defendemos que as pessoas com deficiência não tenham restrição de direitos. Devido a essa responsabilidade, a Federação vem preparando o terreno para atribuir um novo significado à escola da Apae. Nesse ano, investimos na capacitação dos professores da nossa rede de modo a aprofundar o conceito da deficiência intelectual e a importância do percurso escolar para o desenvolvimento dos nossos alunos”, disse.

Esse posicionamento foi reforçado pela Subsecretária de Desenvolvimento da Educação Básica, Raquel Elizabete de Souza Santos. Para ela, o “avanço da proposição se resume na valorização da vida escolar do aluno da Apae, na perspectiva da conclusão do Ensino Fundamental”.

 

Apresentações

A primeira palestra foi realizada pela consultora pedagógica da Feapaes-MG, Júnia Ângela Lima. Ela falou sobre a organização das ações de aprendizagem na escola especial das Apaes e apresentou a proposta desenvolvida em conjunto com a SEE que define a faixa etária para cada nível de ensino e a flexibilização do tempo necessário a cada aluno. Em seguida, a psicóloga Priscila Augusta Lima tratou do tema A Educação de Jovens e Adultos e o Aluno com Deficiência Intelectual. 

No segundo dia, a plenária recebeu a professora Ângela Dalbem que apresentou o projeto Magistra: escola de formação continuada do profissional da rede pública de educação.  Na sequência, foi organizada uma mesa redonda com Marco Antônio de Resende, Graça Itelvina e Ana Regina de Carvalho, servidores públicos da SEE. Eles orientaram sobre a organização e o funcionamento escolar para o Projeto EJA nos anos finas do Ensino Fundamental nas escolas das Apaes, à luz da Resolução do Conselho Estadual de Educação Nº 449/02, que fixa  normas para credenciamento e recredenciamento de instituições escolares, autorização para funcionamento e reconhecimento de cursos de Educação Básica e Educação Profissional e dá outras providências, e da Portaria 1210/2012, que autoriza o funcionamento do Curso de Educação de Jovens e Adultos – Ensino Fundamental (anos finais) nas escolas de 62 Apaes que iniciariam o projeto em 2012. 

A programação foi concluída com o relato das experiências exitosas do Projeto EJA na rede estadual nas escolas especiais Pestalozzi e Novo Horizonte, de Belo Horizonte e Uberlândia, respectivamente.

 

Repercussão

No encerramento dos trabalhos, Eduardo Barbosa expôs a sua empolgação pela receptividade do sistema estadual de ensino com a proposta sustentada pelas Apaes. Para ele, o pacto estabelecido sinaliza uma relação de responsabilidade e companheirismo. “Criamos uma nova perspectiva de aprendizado para os nossos alunos e de motivação para os pais, a partir do entendimento que a escola passa a ser importante numa etapa da vida de seus filhos com deficiência intelectual e autismo”, ressaltou.

A clareza e a coerência do pensamento foi reforçada no depoimento de Maristela Feldner de Barros Cunha, mãe de pessoa com deficiência e Diretora da Apae de Tupaciguara. “Estou tranquila quanto a garantia da continuidade do trabalho da Apae, e confiante que a deficiência não será mais vista como doença. Saio daqui com esperança no futuro”, concluiu.  

 

Inovação

Na nova proposta, prevista para entrar em vigor a partir de 2013, os ciclos de aprendizagem na Escola Especial das Apaes estão distribuídos em três fases, mais a a modalidade de Educação de Jovens e Adultos. 

Crianças de 0 a 5 anos são admitidas no nível de ensino da Educação Infantil, que engloba a educação precoce e pré-escolar. A fase seguinte, correspondente ao Ensino Fundamental nos anos iniciais, que compreende os ciclos de aprendizagem inicial e intermediário, e, posteriormente, a fase final com os ciclos avançado e conclusivo, nos quais são permitidos a flexibilização do tempo de permanência dos alunos.

Para alunos com deficiência intelectual e múltipla acima de 15 anos é ofertada a modalidade de Educação de Jovens e Adultos (anos iniciais e finais), sendo que nos anos finais será desenvolvida nas oficinas de trabalho mantidas pelas entidades. A inovação conquistada pelo movimento Apaeano de Minas Gerais admite a matrícula dos alunos que não cursaram ou não concluíram os anos finais do Ensino Fundamental.


Fonte: Federação das Apaes do Estado de Minas Gerais